sábado, 19 de dezembro de 2009

Guerreando



(Autor: André Vilela)

Não suporto pensar que você esta tão longe daqui,
Não tenho você para poder sorrir.
Quem podia imaginar.
Parecia que foi ontem que eu estava te beijando,
E hoje estou aqui guerreando.
Meu suor sem cessar escorre,
A cada segundo uma bomba explode.
Você não sai do meu pensamento,
Mas em todo momento estou sempre atento.
Fecho os olhos e penso se ainda volto pra casa,
Sonho que você me abraça.
Desperço
Tropeço
E treme o chão,
Com cada explosão.

Refrão:
Como eu não queria estar aqui,
Queria tanto estar ai.
Te beijando,
E não nesta loucura guerreando.

Aqui é sempre cinza mesmo que o sol apareça,
Se estaremos vivos amanha é incerteza.
Tudo em nome de um país,
Quando e um dia serei feliz.
Uma chuva de balas começa a nos atingir,
Em instantes me vi cair.
Na minha frente só seu rosto eu vi,
E sua presença naquela hora eu senti.

Refrão:
Como eu não queria estar aqui,
Queria tanto estar ai.
Te beijando,
E não nesta loucura guerreando.

sábado, 14 de novembro de 2009

Amar e não ser correspondido



(Autor: André Vilela)

Amar e não ser correspondido.
Amor bandido.
Prendeu-me a ela.
Esse amor ruge feito uma fera.
Querendo que seja notado.
Sedento por ser amado.
Esse amor chora por dentro.
E de tristeza vai se corroendo
E vai se apagando.
De vagar se esfriando.
Ate ficar gelado.
E me pergunto.
Porque nunca que amo sou amado??
Procuro as melhores maneiras.
Para entender.
Mas no entanto.
Minha opção é sofrer.
Olho no rosto.
Da garota que me despreza
Que comigo não quer nem conversa
Meus olhos embotados.
Ficam pasmados.
De como ela é linda.
Quero que sinta.
O mesmo que sinto.
Por ti.
Mas como
Se pra mim você nem sorri.
Esperança
Um dia cansa.