sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Julieta.




(André Vilela)

Ó Julieta

Meu amor minha flor

Por favor, não se meta

Com o ciúme

Ele não tem perfume

Não tem odor

Ó Julieta

Por favor, não se meta

Com o ciúme

Ele é traiçoeiro

Ó Julieta

Por favor, não se meta

Com o ciúme

Ele é cangaceiro

Ó Julieta

Por favor, não se meta

Com o ciúme

Ele é perigoso

Ò Julieta

Por favor, não se meta

Com o ciúme

Ele é ardiloso

Ó Julieta

Por favor, não se meta

Com o ciúme

Ele engana

Ó se me ama Julieta

Com ele não se meta

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Passarinho.




(André Vilela)

Ó meu amor
Como eu queria
Ser um pequeno passarinho
Para que todos os dias
Pudesse te ver
Ali escondidinho
No cantinho
Da sua janela
Ó minha bela
Queria ser um passarinho
Para poder voar
E nos ares te achar
Minha passarinha
E ser tua vidinha
Ó minha lindinha
Queria ser um passarinho
Para ti, cantar
Quando o Sol raiar
E seu dia embelezar
De alegria
De boas energias
Mesmo que no fim
Da tarde
Eu fosse embora
Na alvorada da manha
Retornaria
Na sua janela
Novamente estaria

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Sou.


(André Vilela)

Sou heróico e romântico

Luto por amores

Do Pacifico ao Atlântico

Sou o bobo da corte

E te farei rir

Por onde for-te

Sou o jogral o travador

Que narra

As sangrias do amor

Sou o gladiador

Com a espada e o escudo

Brigando para entrar

Em seu mundo

Sou o alquimista

O são otimista

Que deixou de querer

Transformar tudo em ouro

Querendo só o amor

Como tesouro

Sou o poeta que repete

Às vezes o que escreve

Mas sou o que descreve

O amor como se deve

Sou o plebeu

E esse amor proibido

É só meu

Sou o vigário

Que faço do teu corpo

Como santuário

Sou o Rei

E te amar

É minha lei