sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Menina Moça


(André Vilela)
[Poesia escrita no ponto de vista feminino]

Meus olhos vêem um mundo singelo
Descubro minhas correntes
Desato meus elos
E me mantenho concreta e inocente

O amor ainda é um caminho que desconheço
E a paixão velha amiga
Madura quando me amanheço
E o novo me instiga

E eu que me vi no espelho criança
Hoje metamorfose do tempo
Lembro das danças de roda, e meu cabelo com trança
Agora meu futuro invento

De boba a menina moça
Forte com minha fraqueza
Alma frágil de louça
Guerreira mas nobreza