sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Lagoa.


                                                                                      (André Vilela)


Acreditei no amor então
Foi pior que a ilusão
Com gosto de indignação
Um tapa na cara da emoção

Me rendi á toa
A conseqüência não foi boa
Afundou a canoa
Não soube nadar naquela lagoa


Jurei carinho
Acabei sozinho
Me furei com espinho
Mas to vivinho 

sábado, 8 de dezembro de 2012

Quero dizer

 









(André Vilela)

Quero te dizer
Assim bem de pertinho
Com todo meu denguinho
Que meu peito palpita forte ao te ver

Moça a beleza que lhe pertence é sensível
Teus olhinhos são como de uma criança inocente
Que vem a minha mente a ficar permanente
A infinitude do teu coração é intransponível

O jeito que você faz careta e sorri
É devastador para meu coração
Creio com toda e maior razão
Que atoa eu não te conheci

Tão suave é tua maneira de falar arrastado
Que funda nos meus ouvidos
Rouba todos os meus sentidos
Que posso perder horas só te ouvindo, sem ser escutado