quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Tardes Cinzas.

(André Vilela)

Não gosto dessas tardes

Chuvosas e frientas

De cor opaca cinzenta

Que você de mim

Se ausenta

Faz falta teus cafunés

Teu abraço

Que me esquenta

O filme e a pipoca

Tuas doces beijocas

Um dia sem ti

É como se eu

Não existisse

Como se eu

Não fosse eu

Sem o corpo teu

É como se houvesse

Um abismo entre mim

E o viver

E assim um dia meu

Sem ti ver

É meu ser entregue

A saudade breve

Mas tento me aquietar

Pois sei

Que amanha de manha

Nos meus braços

Você vai estar

6 comentários:

  1. caraw voc me mandou isso na caixa da verdade pensei qe seria bobeiraa e resolvir olhar'
    Mais te garanto uma coisa garotoo tu tem muito futuroo viu'
    obs: ia perder uma leitura maravilhosa'

    ResponderExcluir
  2. Quem diria que naquela caixa,continha um grande talento,li tantos poemas que já nem sei qual é o melhor...
    parabéns.

    ResponderExcluir
  3. AI KE LINDO VC TEM UM GRANDE DOM

    ResponderExcluir