sábado, 10 de julho de 2010

Juras Baratas


(André Vilela)


Como você se encanta com juras baratas
As quais me atacas
Que eu ate perco o rumo
Lutando contra o mais forte com uma espada sem ponta e sem gumes
Se vou me render?
Jamais
A cada golpe me sinto mais vivaz
Posso arranhar-me e cair
Mas de você não vou desistir
Levanto e volto a combate
Que não terá empate
Só um cavalheiro terá a mão da dama
E só Deus sabe
O futuro dessa trama

Nenhum comentário:

Postar um comentário