sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Cão.



(André Vilela)
Pobre infeliz que sou
Meu dono me largou
Nasci indefeso
O acaso meu deu o desprezo

Tenho fome e sou sarnento
Me repouso no cimento
Essas feridas me matam de dor
E ainda me olham com rancor

Rancor de eu estar no caminho
Abano o rabo por carinho
E me chamam de pulguento
São todos pobres de espírito, sem sentimentos!


A morte me chama em cada esquina
A rua é minha sina
Sou apenas um cão
Que no lixo procura um pedaço de pão

4 comentários:

  1. Muito interessante, André! Parabéns pelo blog :D
    se quiser dar uma olhada no meu também, é esse:
    www.ventostemposcantos.blogspot.com
    não tem muita coisa ainda, mas estou postando (: até mais!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Bia! É um privilegio ter você por aqui, seja muito bem vinda!

    ResponderExcluir
  3. Você conseguiu fazer um resumo de uma vida de um pobre cachorrinho. Pessoas que de certa forma valorizam os animais ganham o meu respeito! Seguindo seu blog! Se quiser dá uma olhada no meu também é http://ramonbatista1.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. As pessoas que amam os animais são mais puras. Adorei

    ResponderExcluir